liderança Teologia Vida prática

Igreja é Essencial! (Collin Hansen e Jonathan Leeman)

Nessas férias (Jan de 2022) eu ouvi e li o ótimo livro Igreja é Essencial de Collin Hansen e Jonathan Leeman. A Editora Fiel está dando o livro em vários formatos, inclusive no ótimo formato de audiobook da The Pilgrim. Vale a pena demais! Recomendo com entusiasmo!! https://conteudo.editorafiel.com.br/igreja-e-essencial. Seguem abaixo algumas citações do livro para empolgar você a pegá-lo de graça no site da Editora Fiel e lê-lo!

“Porque a Igreja é muito mais do que parece ser. É, de fato, a menina dos olhos de Deus. O corpo pelo qual Jesus Cristo deu o seu corpo. É essencial”.

“Uma Igreja é na verdade uma assembleia e uma fraternidade da família de Deus; o corpo de Cristo e o templo do Espírito. Portanto se continuarmos a tratar nossas Igrejas irrefletidamente como pouco mais do que clubes,  prédios ou apresentações, perderemos o carregamento de apoios e bênçãos que Deus pretende estacionar em nossa garagem”.

“A Igreja é um grupo de cristãos que se reúne como uma embaixada terrena do Reino celestial de Cristo, para proclamar as boas novas e os Mandamentos de Cristo, o Rei, para afirmar uns aos outros como seus cidadãos, por meio das ordenanças, e para evidenciar o amor e a santidade de Deus, por meio de um povo unificado e diverso, em todo o mundo, seguindo o ensino e o exemplo dos presbíteros”

“No entanto, o arrependimento bíblico também tem uma dimensão comunitária. No meu caso significou abandonar a minha vida como um indivíduo desgarrado e autônomo. Significou unir-me a uma família e assumir a responsabilidade por ela; significou convidar outros cristãos para a minha vida e ter conversas constrangedoras que incluíam confessar pecados ou admitir fraquezas. Envolveu procurar homens mais velhos para me discipular e homens mais jovens para discipular. Levou-me a oferecer hospitalidade a pessoas novas ou necessitadas. Treinou-me para me alegrar ao sofrer com aqueles que se alegram ou sofrem. Em outras palavras, o arrependimento sempre envolve amor”.

Observe que Jesus não diz que os não cristãos saberão que somos discípulos dele pelo nosso amor por eles (embora isso também seja verdade). Ele diz que eles saberão pelo nosso amor uns pelos outros. Interessante, não é mesmo? Como pode ser? Bem, olhe novamente para o tipo de amor: “assim como eu vos amei”. Como Jesus nos amou? Ele nos amou com um amor que concede graça, se sacrifica e suporta o pecado… O que é uma Igreja? É um grupo de pessoas que sabem que foram amadas por Cristo e começam a amar umas às outras dessa maneira.

“Cada um de nós precisa ver e ouvir os nossos santos irmãos regularmente, caso contrário, são apenas os padrões dos colegas de trabalho, dos amigos da escola ou dos personagens de televisão que observamos. Assim que a pandemia começou, muitas igrejas em todo o mundo transmitiram ao vivo os seus cultos e muitas vozes exaltaram o valor duradouro da Igreja virtual. Os pastores que antes criticavam a ideia, agora abriram campi virtuais e os prepararam com pastores em tempo integral, prometendo que esses campi continuariam indefinidamente. Esse foi um desenvolvimento emocionante na história do cumprimento da Grande Comissão, disseram alguns. Ainda assim, nos perguntamos, o que fica faltando quando sua experiência na Igreja nada mais é do que uma transmissão ao vivo semanalmente? Para começar você pensa menos nos outros membros. Eles não vem à mente. Você não esbarra neles. Nem tem conversas rápidas que levam a conversas mais longas durante o jantar. Além disso, você se afasta do caminho do encorajamento, da prestação de contas e do amor. Louvado seja Deus porque podemos baixar as verdades bíblicas virtualmente, mas vamos louvar a Deus porque a vida cristã é mais do que apenas uma transferência de informações. Quando a Igreja está apenas online, não podemos sentir, experimentar e testemunhar essas verdades, tornando-se encarnadas na família de Deus, que fornece a nossa fé e cria laços de amor entre irmãos e irmãs. Igreja virtual é um oxímoro. Pense nisso: talvez, você tenha lutado com ódio oculto por um irmão durante toda a semana, mas então a presença dele à mesa do Senhor, leva você ao arrependimento e à confissão. Você lida com suspeitas em relação à uma irmã, mas então, você a vê cantando as mesmas canções de louvor e seu coração se aquece. Você sofre com a ansiedade sobre o que está acontecendo politicamente em sua nação, mas então o pregador declara a vinda de Cristo em vitória e vindicação e você ouve gritos de amém ao seu redor e se lembra de que pertence a uma cidadania celestial unida em esperança. Você está tentando manter seus problemas no escuro, mas então, a pergunta carinhosa, mas incisiva do casal mais velho durante o almoço: “Como vai você de verdade?”, atrai você para a luz. Nada disso pode ser experimentado virtualmente. Deus nos fez criaturas físicas e relacionais. Definitivamente a vida cristã e a vida da Igreja não podem ser baixadas. Deve-se observá-las, ouvi-las, adentrá-las e segui-las. 

Ao redescobrir a Igreja, você deve procurar pregadores que não somente o farão depender deles para percepções bíblicas ocultas, mas também lhe mostrarão como ensinar a Palavra a si mesmo. Os melhores pregadores não fazem você se maravilhar com as habilidades deles, eles lhe mostram a glória de Deus como está em sua Palavra e quando vê Deus dessa maneira, você deseja tanto dEle quanto puder receber. Você cresce no anseio de ler e de aplicar a Palavra por si mesmo. Então você entra em um ciclo virtuoso. Quanto mais os pregadores o ajudam a conhecer e a amar a Palavra, mas você desenvolve esse gosto por si mesmo e uma melhor preferência pela pregação substancial. Esse relacionamento entre pregadores e membros da Igreja é a chave para qualquer Igreja saudável porque nunca há apenas um mestre na Igreja. Todos nós fomos chamados para ensinar a Palavra de alguma forma. Por exemplo, todos os presbíteros e não apenas o pregador devem ser aptos a ensinar como parte de sua liderança (1Tm 3.2). Os pais ensinam a Palavra aos filhos (Dt 6.7). Mulheres mais velhas ensinam mulheres mais jovens (Tt 2.3-5). Pense sobre a obra da Palavra em uma igreja por meio de pelo menos quatro movimentos: (1) O pregador traz a Palavra para toda a Igreja; (2) os membros da Igreja respondem portanto a Palavra de Deus em suas bocas e seus corações por meio de cânticos e orações comunitárias; (3) Todos os membros da Igreja ensinam a Palavra a si mesmos; (4) e vários membros da Igreja ensinam a Palavra uns aos outros e à próxima geração. Isso significa que cada membro da Igreja foi chamado de alguma forma como aluno e também professor da Palavra.  

“Em uma ocasião, quando estava tomando a ceia com a Igreja eu disse aos irmãos ao meu redor, enquanto participamos, vamos olhar uns para os outros e depois nos abraçar ao final. Eu queria capturar a natureza comunitária do que estávamos fazendo. meus amigos reclamaram do meu pedido, mas concordaram. Então nós aproximamos, tomamos a ceia, olhamos uns para os outros e depois nos abraçamos. Foi um pouco estranho, honestamente. Os rapazes riram. Não estou recomendando a prática em si, mas estou tentando ilustrar esse ponto. A ceia do Senhor é uma refeição familiar, não individual. Então, o que é exatamente um membro de Igreja? Ser membro da Igreja é a forma como reconhecemos que formalmente nos comprometemos uns com os outros como crentes. É o que criamos ao afirmarmos uns aos outros por meio das ordenanças. Para oferecer uma definição, ser membro da Igreja é uma afirmação e supervisão da Igreja acerca da profissão de fé e do discipulado de um cristão, combinada com a submissão do cristão a Igreja e a sua supervisão… Uma Igreja onde estão todos os membros que afirma a profissão de fé e supervisiona o discipulado de um cristão que se submete a uma Igreja”.

“Quando se torna um membro da Igreja, você não está apenas se submetendo aos líderes ou a instituição em algum sentido burocrático ou vago. Você está se submetendo a uma família e a todos os seus membros. É a sua maneira de dizer: este é o grupo específico de cristãos que estou convidando para entrar em minha vida e pedindo que me cobre sobre seguir a Jesus. Estou pedindo a essas pessoas que se responsabilizem por minha caminhada na vida cristã.  Se estou desanimado, agora é responsabilidade deles me encorajar. Se me desviar do caminho estreito é responsabilidade deles me corrigir. Se estou em dificuldades financeiras, é responsabilidade deles cuidar de mim. No entanto esse compromisso é uma via de mão dupla. Ao pedir a outros membros da Igreja que cuidem de você, você também está prometendo cuidar deles. Você agora faz parte da Igreja… Se o Espírito está em você, você deseja se comprometer com o corpo de Cristo! … A membresia não é apenas um status, é um ofício ou um trabalho; e espera-se que você apareça para trabalhar(Hb 10.24-25)!”

Para oferecer uma definição, ser membro da igreja é uma afirmação e supervisão da igreja acerca da profissão de fé e do discipulado de um cristão, combinada com a submissão do cristão à igreja e à sua supervisão.

Trabalhe para ser o tipo de pessoa fácil de corrigir. Se não for, seus amigos e familiares logo aprenderão que corrigi-lo é um exercício fútil e até perigoso, e, por isso, desistirão de fazê-lo. Como isso deixará você desprotegido! Convide pessoas para conhecer você. Solicite avaliações críticas. Confesse o pecado. Corra o risco de constrangimento. Incentive outros em sua caminhada com Cristo. Esteja disposto a ter aquelas conversas desconfortáveis nas quais o pecado é desafiado com ternura e delicadeza. Normalmente, isso significa começar com perguntas, e não acusações, para ter certeza de que o entendimento está correto. Tudo isso não é apenas trabalho dos pastores, mas de todos os membros. Quando você e os outros membros de sua igreja vivem dessa maneira, a maior parte das ocorrências de disciplina em uma igreja nunca irá além de duas ou três pessoas. Os presbíteros nem ouvirão falar disso. O corpo funcionará como deveria, ou seja, cada parte edificando-o em amor (Ef 4.15, 16). E, aos poucos, de um grau de glória a outro, sua congregação se tornará uma embaixada que exibe o santo amor de Deus.

Quando uma igreja segue esses padrões do mundo, ela não é notada pelo mundo. Por que? Porque os membros não precisamos igreja para esse tipo de comunidade. Você pode participar de uma marcha de protesto ou de um partido político se quiser compartilhar zelo ideológico. Você pode entrar para uma equipe esportiva ou uma comunidade de jogos se precisar de amigos para passar o tempo. Você pode se juntar aos velhos amigos na padaria da esquina se quiser reclamar do tempo e de suas dores e sofrimentos. A Igreja que é notada pelo mundo, reúne pessoas que normalmente não se juntam: os cobradores de impostos e zelotes, pecadores e fariseus. Foi isso que tornou a igreja primitiva tão estranha que alguns disseram que ela estava virando o mundo de cabeça para baixo.

A política e a pandemia estressaram muitas congregações além do ponto de ruptura. Pode parecer mais fácil procurar uma igreja onde todos pensam, votam e pecam da mesma maneira que você. Apesar disso, é melhor para o seu crescimento espiritual acomodar-se em uma comunhão de diferentes, honrar pessoas cujas habilidades são diferentes das suas, esperar todas as coisas em amor, manter a unidade do Espírito pelo vínculo da paz. Respeitar o zelote ou o cobrador de impostos sentado ao seu lado. Você quer encontrar uma igreja que chame a atenção deste mundo? Encontre uma igreja que se pareça com o mundo vindouro.

Você já participou de um culto à luz de velas na véspera de Natal? Mesmo que não, você pode entender a ideia básica com bastante facilidade. Enquanto todos cantam Noite feliz ou outro hino de Natal, cada pessoa acende sua vela e passa a chama para a próxima pessoa. O que começa como uma sala escura no início do hino resplandece com luz e calor ao final. Uma vela acesa brilha forte na escuridão. Dezenas de velas acesas afastam a escuridão. É isso que acontece quando uma igreja obedece conjuntamente aos mandamentos de Jesus. Os mandamentos de abandonar a raiva; de rejeitar a lascívia; de amar os inimigos; de doar aos necessitados; de não ficar ansioso com coisa alguma. Quando os cristãos de dentro agem assim uns com os outros e com os de fora, o mundo vê suas boas obras como uma cidade situada em um monte e iluminada com as luzes cintilantes do Natal. Sua luz brilha de tal forma que os de fora querem entrar e dar glória ao Pai do céu. Reconhecemos que a ordem aqui é crucial. Muitas vezes, os cristãos e as igrejas ficam tão preocupados em redimir a cultura ou transformar a cidade que fracassam em colocar suas próprias casas em ordem . Como estamos tentando dizer ao longo deste livro, as igrejas devem primeiro procurar se tornar culturas redimidas e cidades celestiais transformadas. Só então seu amor, suas boas obras e sua busca pela justiça podem se espalhar para fora com integridade. Quando isso acontecer, os cidadãos sitiados deste mundo e suas revoluções fracassadas podem então buscar refúgio nas portas de nossa embaixada (cap. 8).

O trabalho do pastor é preparar os santos para fazerem seu trabalho… A reunião semanal da igreja, então, é um momento de treinamento profissional. Ela permite que aqueles no ofício pastoral preparem aqueles no ofício de membro para conhecerem o evangelho, viverem pelo evangelho, protegerem o testemunho do evangelho da igreja e estenderem o alcance do evangelho às vidas uns dos outros e entre os de fora. Se Jesus incumbe os membros de afirmarem e edificarem uns aos outros no evangelho, ele incumbe os pastores de treiná-los para fazerem isso . Se os pastores não fazem bem o seu trabalho, tampouco os membros farão o deles. (cap. 9)

A própria linguagem que as pessoas usam hoje para descrever a procura de uma igreja sugere o problema fundamental. As pessoas falam sobre “escolher” uma igreja. Quando você está “escolhendo” uma igreja, está perguntando o que essa igreja pode fazer por você, não o que você pode fazer pela igreja. “Escolher” também sugere que a igreja é uma questão de mera preferência, como optar entre marcas de ketchup. E o cliente tem sempre razão. A lealdade dura apenas enquanto a igreja continua atendendo às suas necessidades. (conclusão)

Atualmente somos todos treinados para alavancar instituições como família, trabalho e escola a fim de atingir nossos objetivos pessoais de atenção e aceitação . Assim que conseguimos o que queremos ou quando a instituição nos pede algo que não queremos dar, podemos descartá-la e seguir para outro objetivo. Arrumar um novo emprego, uma nova família, uma nova escola. Contudo, o crescimento pessoal geralmente não funciona dessa maneira. Em geral, os relacionamentos não mudam você para melhor se não o desafiarem no seu pior. Considere: Quem são as pessoas mais importantes em sua vida? Eles apenas concordam com você e com todas as decisões que você toma? Ou você confia que eles o amarão incondicionalmente e o suficiente para lhe dizer a verdade? Relacionamentos com familiares e amigos são construídos ao longo de bons e maus momentos. Eles irão celebrá-lo nos seus melhores momentos , apoiá -lo nos piores e o protegê-lo nos mais vulneráveis. Esse é o tipo de igreja que devemos redescobrir. A igreja não é apenas mais uma instituição que usamos para compor um currículo e incrementar nossa descrição. A igreja nos transforma em homens e mulheres de Deus. Ficamos mais fortes juntos. Ao mesmo tempo, aprendemos mais sobre quem Deus deseja que sejamos como indivíduos — nossas habilidades e paixões distintas. A igreja não apaga nossas personalidades. Ela as fortalece ao nos conectar com o Criador que nos fez como somos e com outros que despertam amor e força que sequer imaginávamos ter. Você pode não ter a igreja que queria. Mas recebe a igreja que jamais soube que precisava. (conclusão)

Escrevemos este livro para ajudá-lo a redescobrir a igreja, para que você pudesse ver por que o corpo de Cristo é essencial. E agora? Qual é o próximo passo? Temos boas notícias. É mais fácil do que você imagina . Apenas apareça e pergunte como você pode ajudar. Isso mesmo, essa é a grande lição do livro. Quando eu (Collin) converso com novos membros da igreja, faço uma grande promessa. E, até agora, ninguém voltou para reclamar de tê-los enganado. Eu prometo que, se eles comparecerem de forma consistente (em nossa igreja, isso significa culto comunitário aos domingos e grupos nos lares às quartas-feiras) e procurarem cuidar dos outros, obterão tudo o que desejam da igreja. Pode ser crescimentoespiritual, amizades, conhecimento bíblico ou ajuda prática. Eles conseguirão o que quiserem da igreja cumprindo apenas essas duas tarefas simples. Se você não participa regularmente, não obtém a experiência formativa da igreja. Você não cresce em conhecimento bíblico por meio do ensino ou em profundidade relacional por meio da oração com os outros . E, se não busca o bem dos outros, você aprende a julgar a igreja pela falha dela em atender às suas necessidades e pela falha dos outros em envolvê -lo. Nenhum de nós jamais viu pessoas redescobrirem a igreja e conseguirem o que desejam da comunidade sem comparecerem constantemente e perguntarem aos outros como podem ajudar.

Lembre-se, você é o corpo de Cristo. Você pode ser uma mão, uma orelha ou um olho. Seja qual parte for, você é essencial. O corpo não funciona corretamente sem você. E você precisa do corpo de Cristo. Então apareça e pergunte. Outros cristãos precisam de você mais do que você imagina. Um dia você entenderá o quanto precisava deles também.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.