Escritura

Carnais e Crianças (1 Coríntios 3.1-5)

3.1 Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo. 3.2 Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais. 3.3 Porquanto, havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem? 3.4 Quando, pois, alguém diz: Eu sou de Paulo, e outro: Eu, de Apolo, não é evidente que andais segundo os homens? 3.5 Quem é Apolo? E quem é Paulo? Servos por meio de quem crestes, e isto conforme o Senhor concedeu a cada um. (1 Coríntios 3.1-5)

Paulo gosta de metáforas. A fim de ilustrar seus ensinos ele faz comparações a respeito dos cristãos, de si mesmo e de pontos importantes de seu ensino. No capítulo três ele usa algumas metáforas: os cristãos como crianças, ele mesmo e Apolo como agricultores e construtores. O ensino do apóstolo para os coríntios nesse trecho pode ser assim resumido: As divisões entre vocês demonstram distanciamento de Deus, tendo em vista que aqueles que trabalham para Deus estão todos em um mesmo nível e um não deve ser preferido em detrimento de outros.

Até aqui Paulo só havia falado diretamente sobre o problema enfrentado pelos coríntios nos versos 1.10-17. Depois desses versos ele ministrou vários remédios contra os problemas enfrentados pelos coríntios: ele (1) afirmou que não havia motivo de orgulho entre os coríntios porque em categorias humanas a mensagem da cruz é humilhante (1Co 1.18-25); (2) que Deus escolhe as coisas desprezadas deste mundo para envergonhar as grandiosas (1Co 1.26-31); (3) apresentou seu próprio exemplo de não depender de sabedoria e oratória humanas em sua pregação em Corinto (1Co 2.1-5); afirmou que a sabedoria do mundo e a de Deus são de naturezas diferentes (1Co 2.6-9) e, portanto, (5) somente quem tem o Espírito de Deus pode entender as coisas de Deus (1Co 2.10-16).

Agora, o apóstolo volta ao problema prático e apresenta o diagnóstico aos coríntios. O problema é que eles estão vivendo em ciúmes e contendas (3.3) e estão se colocando como seguidores de homens em vez de seguirem a Cristo (3.3-4). E qual é o diagnóstico que Paulo apresenta? Esses problemas apontam para carnalidade e infantilidade em Cristo. A infantilidade em Cristo aponta para o fato de que os coríntios não cresceram como cristãos e ainda precisavam receber instrução de coisas tão simples como “não briguem, vocês tem que se aceitar como irmãos…”. Eles se achavam os mais sábios, imponentes e espirituais, mas, na verdade, eram infantis e ainda não podiam suportar alimento sólido, ou seja, um conteúdo cristão doutrinário e ético mais profundo.

A metáfora da infantilidade em Cristo é igualada ao termo carnalidade. O termo carne, na Bíblia, tem mais de um significado. Por vezes aponta simplesmente para a parte material do ser humano, sendo equiparada a corpo. Outras vezes, entretanto, o termo aponta para o pecado do ser humano, o “velho homem” dos cristãos, a tendência pecaminosa de nosso coração. É neste último sentido que os cristãos coríntios eram carnais. Eles estavam vivendo longe de Deus e dando mais espaço para seus pecados do que para a atuação do Espírito de Deus neles.

O que Paulo queria deles? Quanto a este problema de divisões por causa de mestres, Paulo queria que os coríntios entendessem que tanto Paulo quanto Apolo eram apenas, e tão somente, escravos de Deus. Instrumentos por meio de quem Deus levou a sua palavra aos coríntios. Os coríntios deveriam deixar a infantilidade de quem só quer seguir um mestre específico, e compreender que Deus usa diferentes mestres em sua igreja, cada qual com suas características peculiares, mas todos capacitados pelo mesmo Deus.

E quanto a você? O que tem impedido você de crescer como cristão? Você tem seguido a homens ou a Jesus Cristo? Você tem dado mais lugar ao Espírito ou à carne? Eu e você devemos buscar conhecer mais a Bíblia, ter mais comunhão com Deus por meio de oração e praticar mais boas obras. Devemos valorizar e amar mais a Deus. Assim fazendo, caminharemos para tornarmo-nos adultos em Cristo, para a glória de Deus.

Oração: Senhor Deus, perdoa-nos porque nós também, por vezes, somos infantis em Cristo. Por vezes deixamos que a nossa carne tenha mais influência em nossas decisões, pensamentos, palavras e atitudes do que o teu Espírito. Ajuda-nos a crescer e amadurecer em Cristo ao ponto de chegarmos à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo. No nome dele. Amém.

João Paulo Thomaz de Aquino

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.