Sê forte e corajoso! Uma introdução ao livro bíblico de Josué

Os últimos quarenta anos do povo foram vividos sob a liderança de Moisés e a maioria deles no deserto. Moisés foi o maior líder que Israel enquanto povo havia tido até aquele momento. Agora havia chegado o momento de grandes mudanças. Se em Gênesis encontramos o povo da aliança como uma família e em Êxodo até Deuteronômio eles são um povo, a partir do livro de Josué aquele povo se transforma em uma nação. Josué narra a conclusão de como aquele povo oprimido pelos egípcios se estabeleceu como uma nação com terra e leis próprias.

 

Josué é um livro de transição

Um homem, Uma família, um povo oprimido, um povo nômade Uma nação com território e leis
Liderança de Moisés Liderança de Josué
Peregrinação no deserto Entrada na Terra Prometida
Tudo é provisório Cada família recebe sua herança
Leis e promessas Cumprimento das promessas e organização civil do povo

 

Quem foi Josué?

Josué era o assistente pessoal de Moisés (Êxodo 24.13; 33.11; Nm 11.28). O nome original dele era Oséias e ele era da tribo de Efraim e filho de um homem chamado Num; Moisés foi quem lhe deu o nome de Josué (Nm 13.8, 16). A primeira vez que ele aparece é como comandante do exército de Israel na batalha contra Amaleque. Josué dirige o povo enquanto Moisés, Arão e Ur ficaram sobre o monte (Êxodo 17.8-16). Como servidor de Moisés, Josué teve a oportunidade de subir com ele no Monte Sinai (Êx 24.13; 32.17) e de ficar na tenda do encontro quando Deus aparecia a Moisés (Êx 33.11). Sendo homem importante em sua tribo, Josué foi o representante de Efraim escolhido para espiar a terra de Canaã junto com Calebe e os demais espias. Somente Josué e Calebe incentivaram o povo a seguir adiante na conquista, pois Deus lhes entregaria a terra prometida (Nm 14). Por causa dessa fidelidade, somente Josué e Calebe daquela geração tiveram o privilégio de entrar na terra prometida (Nm 32.12). Foi o próprio Deus quem escolheu Josué como sucessor de Moisés, dizendo que ele era um homem em que havia o Espírito e que ele deveria guiar o povo na conquista da terra prometida (Nm 27.18-23; Dt 1.38; 3.28; 31; veja também 34.9). Josué morreu com 110 anos (Js 24.29) e, portanto, devia ter em torno de 80 anos quando assumiu a liderança de Israel.

 

Estrutura do Livro

Josué 1—2: Preparação para a Conquista

Josué 3—12: A Conquista da Terra Prometida

Josué 13—21: A Divisão Da Terra

Josué 22—24: Seremos fiéis ou infiéis?

 

Versículo-Tema e Versículos em Destaque

Josué 21.43-45 Desta maneira, deu o Senhor a Israel toda a terra que jurara dar a seus pais; e a possuíram e habitaram nela.44O Senhor lhes deu repouso em redor, segundo tudo quanto jurara a seus pais; nenhum de todos os seus inimigos resistiu diante deles; a todos eles o Senhor lhes entregou nas mãos.45Nenhuma promessa falhou de todas as boas palavras que o Senhor falara à casa de Israel; tudo se cumpriu.

Josué 1.8 Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido.

Josué 1.9 Não to mandei eu? Sê forte e corajoso; não temas, nem te espantes, porque o Senhor, teu Deus, é contigo por onde quer que andares.

Josué 14.11-12 Estou forte ainda hoje como no dia em que Moisés me enviou; qual era a minha força naquele dia, tal ainda agora para o combate, tanto para sair a ele como para voltar. 12Agora, pois, dá-me este monte de que o Senhor falou naquele dia, pois, naquele dia, ouviste que lá estavam os anaquins e grandes e fortes cidades; o Senhor, porventura, será comigo, para os desapossar, como prometeu.

Josué 18.3 Disse Josué aos filhos de Israel: Até quando sereis remissos em passardes para possuir a terra que o Senhor, Deus de vossos pais, vos deu?

Josué 24.15 Porém, se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei, hoje, a quem sirvais: se aos deuses a quem serviram vossos pais que estavam dalém do Eufrates ou aos deuses dos amorreus em cuja terra habitais. Eu e a minha casa serviremos ao Senhor.

 

Temas Importantes

Sê forte e corajoso: Esse refrão, “sê forte e corajoso”, começa já no final do livro de Deuteronômio, quando Moisés está transferindo a sua liderança para Josué. Tanto Moisés (Dt 31.6-8) quanto o próprio Deus (Dt 31.23) falam o refrão a Josué. Aliás, mesmo no começo de Deuteronômio Deus anuncia a Moisés que é isso que ele deverá fazer com Josué: torna-lo forte e corajoso (Dt 3.28; veja tb. 1.21, 38) No livro de Josué o “sê forte e corajoso” se torna fundamental. Deus fala e repete o lema várias vezes a Josué (1.6, 7 e 9). O povo fala o mesmo para Josué (1.17-18). Várias vezes ao longo de sua vida, Josué foi relembrado de que ele não precisava temer, pois Deus o ajudaria (8.1; 10.8; 11.6). A ocorrência em Josué 10.25 do lema é interessante, pois agora é o próprio Josué quem anima o povo com essas palavras: “Não temais, nem vos atemorizeis; sede fortes e corajosos, porque assim fará o Senhor a todos os vossos inimigos, contra os quais pelejardes” (Js 10.25). Enquanto o povo fosse fiel ao Senhor eles poderiam ser fortes, corajosos e destemidos, mas caso se afastassem do Senhor haveria motivo de medo. Foi isso o que aconteceu no caso de Acã. Por causa do pecado dele, o povo perdeu a guerra e “e o coração do povo se derreteu e se tornou como água” (Js 7.5). Uma vez que o pecado foi extirpado, Deus estaria novamente com eles e lhes daria vitória, como, de fato aconteceu. Os inimigos, por outro lado, não tinham motivo de ter coragem nem força, pois Deus estava lutando contra eles (Js 2.9-11, 24; 5.1).

Deus é Fiel: No livro de Josué, Deus está cumprindo as suas promessas feitas a Abraão (Gn 12.7; 13.14-17; 15.18), Isaque (Gn 26.1-4), Jacó (Gn 28.3-4, 13-14; 35.9-12; 49; 50.24), Moisés e todo o povo de Israel (Êx 2.23-25; 6.7-8; 13.5; Dt 9.4-6). Apesar da constante infidelidade do povo, Deus se manteve fiel e cumpriu suas promessas, dando a Israel as terras da peregrinação de Abraão e fazendo deles uma grande nação. A bênção de Deus, no entanto, está intimamente relacionada com o desempenho do povo com relação aos mandamentos de Deus. Nesse sentido, o relato da aparição do Anjo do Senhor para Josué é muito interessante. Quando Josué lhe perguntou: “És tu dos nossos ou dos nossos adversários”? (Js 5.14). A resposta do anjo foi: “Não; sou príncipe do exército do Senhor e acabo de chegar” (Js 5.15). Na continuação do relato fica claro que o anjo do Senhor será com o povo de Deus se este for fiel, mas ele próprio se voltará contra o povo de Deus se o povo escolher a infidelidade. Se o povo anda com Deus, Deus abre o Rio Jordão (Js 3—4), derruba muralhas (Js 6), faz a terra parar e girar (Js 10) e destrói os inimigos (Js 10—12). Quando o povo não é fiel a Deus, enfrenta derrotas (Js 7—9). Deus quer abençoar o seu povo e por isso mesmo os relembra constantemente da aliança, para que o povo faça a sua parte (Js 8.30-35; 23—24).

O Senhor concede herança, o Senhor é a herança: O livro de Josué deixa muito claro que é Deus quem está dando a terra de Canaã para os filhos de Abraão. É por isso que a divisão da terra foi feita de acordo com o que Deus já havia decidido antes e as demais terras por meio de sortes diante de Senhor (Js 13—20). É Deus quem dá herança ao seu povo. Por outro lado, a tribo dos levitas não receberia um território por herança para si, mas o Senhor e o sacerdócio seria a herança deles (Js 13.14, 33; 18.7).

Herém / Guerra Santa: Um tema teológico muito importante e complicado que encontramos em Josué diz respeito à destruição dos povos canaanitas, incluindo a morte de mulheres e crianças. Deuteronômio 7.1-2 anunciam aquilo que é cumprido no livro de Josué: “1 Quando o Senhor, teu Deus, te introduzir na terra a qual passas a possuir, e tiver lançado muitas nações de diante de ti, os heteus, e os girgaseus, e os amorreus, e os cananeus, e os ferezeus, e os heveus, e os jebuseus, sete nações mais numerosas e mais poderosas do que tu; 2 e o Senhor, teu Deus, as tiver dado diante de ti, para as ferir, totalmente as destruirás [herém]; não farás com elas aliança, nem terás piedade delas…” (Deuteronômio 7.1-2). “Destruir totalmente” é a tradução do termo hebraico “herém”. Essa destruição, no entanto, tem um aspecto religioso, de limpeza e punição de pecados, é uma “consagração à destruição”. Em Gênesis 15.16, Deus diz que ainda não estava entregando a terra de Canaã a Abraão pelo seguinte motivo: “Na quarta geração, tornarão para aqui; porque não se encheu ainda a medida da iniquidade dos amorreus”. Aqueles povos foram destruídos, assim como Sodoma e Gomorra (Gn 19), pois os seus pecados haviam despertado a ira de Deus. Todas aquelas pessoas foram destruídas como fruto do justo juízo do Senhor Deus. Esse tema não é abandonado com a conquista de Israel, mas ele se transforma em o Dia do Senhor, um dia de ira e destruição que Deus declarou sobre vários povos, inclusive o seu próprio povo ao longo da história bíblica. Nós ainda aguardamos que esse dia se cumpra de uma vez por todas e todos aqueles que negaram a Deus serão destruídos e haverá novos céus e nova terra. Todos os seres humanos merecem um herém da parte de Deus. A bênção é que Jesus sofreu um herém de Deus para que aqueles que nele creem possam usufruir as bênçãos da obediência de Cristo.

 

O que os estudiosos dizem sobre Josué?

  • “Esses são os componentes da teologia deuteronomista de Josué: uma terra conquistada que poderia ser perdida; um modelo de liderança que nunca mais foi seguido; uma lei dada para Israel como uma aliança, mas repetidamente desobedecida; e um Deus do Universo que escolheu e ajudou Israel, cumprindo todas as suas promessas e bênçãos, mas que permaneceu sendo o Deus santo e zeloso (Js 24.19), pronto para cumprir todas as suas maldições (6.26; 23.15-16; 24.20). […] O livro de Josué não é somente a explicação histórica do por que Israel foi punida. Ele também é um paradigma de esperança.[1]
  • “O objetivo do escritor, portanto, não era meramente mostrar os grandes feitos de Josué, nem mesmo registrar a história da teocracia sob Josué, e, dessa forma, continuar a narrativa do Pentateuco, desde a morte de Moisés até a de Josué. Antes o objetivo do autor foi fornecer evidências históricas de que Josué, pela ajuda de Deus, realizou fielmente o trabalho para o qual o Senhor o havia chamado; bem como mostrar como Deus, em cumprimento às promessas feitas aos patriarcas, expulsou os cananeus diante de Israel, e deu terra deles para as doze tribos de Jacó como uma herança permanente. Dessa forma, não obstante a ligação íntima entre este livro e o Pentateuco, Josué é em si mesmo um trabalho completo e independente, sendo o registro histórico da conquista e distribuição da terra que o Senhor deu ao seu povo escolhido como sua possessão, para que eles pudessem habitar nela, servindo ao seu Deus e Senhor em verdade e amor”.[2]
  • “É comum revolver-se a narrativa bíblica em busca de exemplos morais que devem ser seguidos ou evitados, conforme o caso. A história bíblica é, então, dissolvida numa coleção de casos morais ou imorais da conduta humana. O contexto histórico em que ocorreram tais eventos tende a ser ignorado. Ao se traçar uma linha reta do ‘então’ até o ‘agora’, a singularidade dos eventos bíblicos como exemplos da autorevelação de Deus corre o risco de ser ignorada. As gradações de sentido introduzidas na narrativa bíblica pelos autores inspirados não recebem a devida atenção, pois tudo gira em torno de uma suposta ‘lição’. Os eventos bíblicos tendem a ser arrancados do seu contexto histórico-redentor ao serem convertidos em paradigmas atemporais de comportamento moral. Porém, isso não se harmoniza com a intenção e propósito da própria Escritura. A Escritura apresenta os fatos históricos a fim de mostrar que a história caminha para uma meta, que há um movimento dinâmico e que o fato anterior leva a um posterior e um último”.[3]

 

Onde está Jesus em Josué?

O “não temas” que Deus falou a Josué é “repetido” diversas vezes por Jesus:

  • Marcos 5:36 E Jesus, tendo ouvido essas palavras, disse ao principal da sinagoga: Não temas, crê somente.
  • Lucas 5:10 e, de igual modo, também de Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão. E disse Jesus a Simão: Não temas; de agora em diante, serás pescador de homens.
  • Lucas 8:50 Jesus, porém, ouvindo-o, respondeu-lhe, dizendo: Nãotemas; crê somente, e será salva.
  • Lucas 12:32 Não temas, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o Reino.
  • Atos 18:9 E disse o Senhor, em visão, a Paulo: Não temas, mas fala e não te cales;
  • Atos 27:24 dizendo: Paulo, não temas! Importa que sejas apresentado a César, e eis que Deus te deu todos quantos navegam contigo.
  • Apocalipse 1:17 E eu, quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; eu sou o Primeiro e o Último

A garantia que Deus dá a Josué de sua presença também foi repetida por Jesus ao colocar sobre seus seguidores a responsabilidade de fazer discípulos: “18 Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. 19 Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 20 ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século” (Mateus 28:18–20). O autor aos Hebreus usa a mensagem da presença de Deus para advertir contra a avareza: “Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. 6 Assim, afirmemos confiantemente: O Senhor é o meu auxílio, não temerei; que me poderá fazer o homem?” (Hebreus 13:5–6).

Finalmente, Jesus é o Josué por excelência pelos seguintes motivos:

  • Ele nos conduz à verdadeira terra Prometida (Hb 4.8)
  • Ele é o líder perfeito que não falha, nem morre de vez
  • Ele muda o coração do seu povo para não haver mais maldição da aliança.
  • Ele destruirá os povos inimigos de forma muito mais violenta e definitiva.
  • A aliança de Cristo é definitiva enquanto a de Josué pertence à velha dispensação

 

Estude mais

Artigo de Augustus Nicodemus, Revista Fides Reformata

Comentário da Editora Cultura Cristã

Comentário da Editora Vida Nova

Vídeo do The Bible Project

Texto sobre o Herém

Sermão sobre Josué 1.1-9

 

________________________________________________________________

[1] Trent Butler, Joshua 1—12, 2nd ed. Grand Rapids: Zondervan, 2014. Esse autor acredita que o livro teve sua última edição realizada por um autor que o preparou para ser lido depois do exílio babilônico.

[2] Carl Friedrich Keil, Commentary on the Book of Joshua. Edinburgh: T&T Clark, 1857, p. 2. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=URlKAAAAMAAJ&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

[3] Marten H. Woudstra, Josué. São Paulo: Cultura Cristã, p. 2011, p. 22

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s