Estudando Teologia no Livro dos Salmos: Lição 3 – O que Deus faz? (Salmo 104)

Nas lições anteriores abordamos como Deus fala conosco e o que ele diz acerca de si mesmo, seus atributos. Nesta lição abordaremos um pouco sobre a obra de Deus, sua Criação e Providência. Nossa oração é que ao final você se sinta impressionado com a grandeza e perfeição do único Deus que existe, Yahweh.

Olhai para mim e sede salvos, vós, todos os limites da terra; porque eu sou Deus, e não há outro… Lembrai-vos das coisas passadas da antiguidade: que eu sou Deus, e não há outro, eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim (Isaías 45:22 e Isaías 46:9)

 

Lição 3

O Que Deus Faz?

 

Texto base: Salmo 104

 

Para realmente conhecer alguém não basta conhecermos as suas características físicas e psicológicas, é necessário também saber o que essa pessoa faz, quais são suas obras. Não é diferente com relação à Deus, se vcocê quer conhece-lo, precisa conhecer o que Ele faz.

Nesta lição olharemos para as obras de Deus através do belíssimo Salmo 104. Costuma-se falar das obras de Deus como Criação e Providência. Este salmo une de maneira poética estas duas obras, tendo-as como alvo de sua meditação:

 

1 Bendiga o Senhor a minha alma!

Ó Senhor, meu Deus, tu és tão grandioso!

Estás vestido de majestade e esplendor!

2 Envolto em luz como numa veste,

Ele estende os céus como uma tenda,

3 E põem sobre as águas dos céus

As vigas dos seus aposentos

Faz das nuvens a sua carruagem

E cavalga nas asas do vento

4 Faz dos ventos seus mensageiros

E dos clarões reluzentes seus servos

5 Firmaste a terra sobre os seus fundamentos

para que jamais se abale; (Salmo 104.1-5)

 

O salmista, repetindo o que fez no Salmo 103, convida a sua alma para que bendiga ao Senhor. O que se segue, é a resposta obediente de sua própria alma em louvor a Deus, uma meditação agradável ao Senhor. Tal meditação tem como ponto de partida o próprio Deus que é grandioso, majestoso e esplendoroso. O salmista então exemplifica estes adjetivos que acabou de dar a Deus apontando para elementos da criação de Deus e o uso poderoso que Deus faz destes elementos.

O Deus que se veste de luz e de esplendor criou pela palavra do seu poder a luz no primeiro dia da Criação. No segundo dia da Criação (conforme Gênesis 1), Deus criou o firmamento (céu azul) e fez separação entre as águas debaixo dos céus (mares, rios) e as águas acima do firmamento (nuvens e alguma forma primitiva de reter as águas que caíram na época do dilúvio). Deus é louvado no Salmo 104 em lembrança à sua obra criadora também do segundo dia e porque Ele continua detendo o poder de fazer o que quiser com os céus, as nuvens, os ventos e os trovões.

 

O Senhor das águas é aquele que as criou. Baal não é o sengor das águas, chuvas e trovões e nem Iemanjá. Somente Deus Yahweh é o Senhor das águas. É por isso que esse Deus teve o poder de fazer tais águas inundarem a terra. É sobre isso que o salmista agora vai falar:

 

Plitvice, Croácia

 

6 com as torrentes do abismo a cobriste

como se fossem uma veste;

as águas subiram acima dos montes.

7 Diante das tuas ameaças as águas fugiram,

puseram-se em fuga ao som do teu trovão;

8 subiram pelos montes e escorreram pelos vales,

Para os lugares que tu lhes designaste

9 Estabeleceste um limite que não podem ultrapassar;

jamais tornarão a cobrir a terra. (Salmo 104.6-9)

 

        A capacidade de concisão do salmista é invejável. Em 4 versos ele narra toda a história de Gênesis 6 a 9. Desde o início do dilúvio até a aliança de Deus com Noé de não mais destruir a terra através da água (Gênesis 9.11). Deus é aquele que inundou a terra, matou toda aquela geração por causa dos seus pecados, pela graça salvou Noé e sua família, secou a terra e prometeu não mais destruí-la daquela forma. O nosso Deus é digno de ser louvado!

 

10 Fazes jorrar as nascentes nos vales

E correrem as águas entre os montes

11 delas bebem todos os animais selvagens

e os jumentos selvagens saciam a sua sede

12 as aves do céu fazem seu ninho junto às águas

e entre os galhos põem-se a cantar

13 dos teus aposentos celestes regas os montes

Sacia-se a terra com o fruto das tuas obras! (Salmo 104.10-13)

 

O salmista continua louvando a Deus pela água. A novidade é que a água é exaltada em relação à terra. Na verdade o salmista agora está levando em consideração o terceiro dia da criação, quando Deus fez aparecer a porção seca no meio das águas. É Deus quem faz as nascentes jorrarem água constantemente. É ele quem faz os rios e cachoeiras entre os montes, logo, é Deus quem, provê de beber aos animais selvagens e às aves. É Deus quem faz a chuva cair (dos teus aposentos celestes regas os montes) e consequentemente, quem sacia a terra com o fruto das suas obras. Em outras palavras, a harmonia que existe neste mundo, com cada coisa no seu devido lugar, vem das mãos de Deus. É Ele quem em Sua Providência supre as necessidades de todos.

  

14 É o Senhor que faz crescer o pasto para o gado,

e as plantas que o homem cultiva, para da terra tirar o alimento:

15 o vinho, que alegra o coração do homem;

o azeite, que lhe faz brilhar o rosto,

e o pão que sustenta o seu vigor.

16 As árvores do Senhor são bem regadas,

os cedros do Líbano que ele plantou;

17 nelas os pássaros fazem o ninho

e nos pinheiros a cegonha tem o seu lar.

18 Os montes elevados pertencem aos bodes selvagens,

e os penhascos são um refúgio para os coelhos. (Salmo 104.14-18)

 

No louvor de sua alma, o salmista continua pensando no terceiro dia da criação. Mais uma vez a harmonia da criação e a bondade do Senhor estão em pauta. É na terra (porção seca de Gênesis 3.9) que Deus fez crescer (também no 3º dia) toda espécie de relva (pasto) e plantas como a videira, a oliveira e o trigo, cujos frutos tem abençoado ao longo dos séculos a vida daqueles que do vinho, do azeite e do pão sabem fazer bom proveito. Além disso, essas árvores servem de lar para os animais. O salmista ainda encontra tempo para reparar no relevo: montes e penhascos. Para aqueles que ainda não visualizaram a estrutura deste salmo, facilitamos:

 

                        Dia da Criação                     Salmo 104

1º Dia                              104.2-5

2º Dia                              104.6-9

3º Dia                              104.10-18

4º Dia                              104.19-23

5º Dia                              104.24-26

6º Dia                              104.27-30

 

 

Apesar da estrutura deste salmo estar baseada no relato da criação, não podemos perder de vista que o salmista fala sobre a criação, mas também sobre a obra de providência de Deus em administrar a sua Criação de forma maravilhosa e harmoniosa. Vejamos o que o salmista tem a dizer sobre o 4º dia da Criação:

 

19 Ele fez a lua para marcar estações;

o sol sabe quando deve se pôr.

20 Trazes trevas e cai a noite,

Quando os animais da floresta vagueiam.

21 Os leões rugem à procura de presa,

buscando de Deus o alimento,

22 mas ao nascer do sol eles se vão

E voltam a deitar-se em suas tocas.

23 Então o homem sai para o seu trabalho

para o seu labor até o entardecer. (Salmo 104.19-23)

 

Estão lá em Gênesis, no relato da criação, os porquês Deus fez os luminares (Gênesis 1.14-19). Aqui vemos como o sol e a lua cumprem no dia a dia o seu papel conforme estabelecido por Deus, o seu Criador. Marcam os dias e as estações e contribuem com a harmonia do mundo marcando o tempo de homens e animais selvagens saírem para os seus afazeres. Seguem-se agora as considerações do salmista sobre o 5º dia da Criação:

 

24 Quantas são as tuas obras, Senhor!

Fizeste todas elas com sabedoria!

A terra está cheia de seres que criaste.

25 Eis o mar, imenso e vasto.

Nele vivem inúmeras criaturas,

seres vivos, pequenos e grandes.

26 Nele passam os navios, e também o Leviatã,

que formaste para com ele brincar (Salmo 104.24-26) 

 

O verso 24 quebra a continuidade do Salmo, fazendo uma poderosa declaração de louvor por tudo que tinha considerado até aqui. É como se o salmista não tivesse conseguido conter, antes de continuar, ele precisou gritar em louvor a Deus: Quantas são as tuas obras, Senhor! Fizeste todas com sabedoria! Esta atitude parece-se muito com o arroubo de louvor de Paulo em Romanos 11:

 

Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus!

Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!

Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro?

Ou quem primeiro deu a ele para que lhe venha a ser restituído?

Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas.

A ele, pois, a glória eternamente. Amém! (Romanos 11.33-36)

 

Em Romanos o “êxtase” de Paulo é causado pela obra da salvação que ele vinha descrevendo até então. Aqui, o arroubo do salmista é devido à criação e a providência de Deus. No 5º dia, segundo o relato de Gênesis, Deus criou os animais aquáticos e também as aves. Nosso salmista já falou sobre as aves (Sl 104.12 e 17). Agora ele destaca as inúmeras criaturas, pequenas e grandes, que vivem no mar, inclusive o temido Leviatã, criado por Deus para com ele se divertir.

Não é muito fácil perceber as divisões do salmo, até porque o salmo foi feito como uma peça única de poesia, assim, por vezes, a transição de um dia para outro da criação é gradual. Mas aqui chegamos finalmente ao sexto e último dia da criação, quando foram feitos animais terrestres e os homens:

 

27 Todos eles dirigem seu olhar a ti,

esperando que lhes dês o alimento no tempo certo;

28 tu lhes dás, eles o recolhem,

abres a tua mão, e saciam-se de coisas boas.

29 Quando escondes o rosto, entram em pânico;

quando lhes retiras o fôlego, morrem e voltam ao pó.

30 Quando sopras o teu fôlego, eles são criados

e renovas a face da terra. (Salmo 104.27-30)

 

O salmista usa um recurso literário primoroso aqui. Ele não define de quem está falando – chama-os de todos – e desta forma podemos aplicar tais palavras tanto aos animais quanto aos homens criados no 6º dia. Algumas afirmações destes versículos remetem-nos diretamente para a criação do homem: sopras o fôlego da vida, morrer, pó. O fato é que todos, homens e animais, dependem de Deus para sua alimentação (Sl 104.14-15). Por isso Jesus nos ensinou a orar: “o pão nosso de cada nos daí, hoje” (Mateus 6.11). é um reconhecimento de que o alimento diário vem das mãos de Deus e se Ele, por algum motivo, virar o rosto (expressão bíblica que significa desfavor) todos, homens e animais, desesperam-se e morrem. E desta forma, Deus, o Senhor, o Rei que governa tudo e todos, renova a face da terra.

Muito bem! Vimos a criação e a contínua obra da providência de Deus relacionada aos seis dias da criação. A pergunta que fazemos é: quais são as atitudes humanas requeridas em resposta a estas bênçãos tão grandiosas? O salmista continua meditando. Lembre-se, este salmo é a resposta do salmista à sua própria ordem para a sua alma no sentido desta louvar ao Senhor. É isso que ele continua fazendo:

 

31 Perdure para sempre a glória do Senhor!

alegre-se o Senhor em todos os seus feitos!

32 Ele olha para a terra, e ela treme,

toca os montes, e eles fumegam.

33 Cantarei ao Senhor toda a minha vida;

louvarei ao meu Deus enquanto eu viver.

34 Seja-lhe agradável a minha meditação,

pois no Senhor tenho alegria.

35 Sejam os pecadores eliminados da terra

e deixem de existir os ímpios.

Bendiga o Senhor a minha alma!

Aleluia! (Salmo 104.31-35)

 

Louvor! Eis o que temos nos últimos versos deste maravilhoso salmo. O salmista louva (elogia) a Deus pelos seus feitos. Reconhece a grandeza do Senhor. A terra treme diante do Senhor (Êxodo 19.16-19), e tremeu mesmo! Por tudo isso, o salmista renova um compromisso com Deus: eu cantarei e louvarei ao Senhor. De fato, se Deus é quem o salmista afirma ser, a obrigação dos homens é viver para prestar-lhe culto e render-lhe louvor. Ele é o grande Senhor Criador e Mantenedor de todas as coisas, inclusive de nós, pequeninas e frágeis criaturas humanas. O salmista deseja que não somente seus cânticos sejam agradáveis a Deus (não somente as palavras dos seus lábios) mas também a sua meditação (meditação do seu coração) seja agradável ao Senhor, por Ele, é fonte de alegria! Que grande pecado é, não reconhecer quem é Deus, o que Ele faz, não lhe dar louvor e nem lhe obedecer. O tamanho do pecado é proporcional à santidade e inocência da pessoa contra a qual pecamos. É por isso que este salmo de louvor tem a dura afirmação do verso 35: “Que os pecadores sejam eliminados da terra e deixem de existir os ímpios.” Esta também é uma meditação agradável a Deus. Que os inimigos de Deus sejam destruídos. É evidente que o salmista não está falando de qualquer tipo de pecador, mas daqueles que decididamente e racionalmente são inimigos de Deus. Quem se rebela contra o bondoso Senhor do Universo, que sustenta todas as suas criaturas, inclusive os rebeldes, merece a pena mais dura que pode existir: a de morte eterna. E é isso que acontecerá no final dos tempos: vida eterna para aqueles que viveram para louvar o Senhor, reconheceram sua bondade e meditaram em seus feitos, e morte eterna para aqueles que decidiram fechar os olhos para esta grande verdade. O salmista termina como começou:

 

Bendiga o Senhor a minha alma!

Aleluia! (= Seja louvado Yahweh)

 

Oração: Senhor Deus, tu és aquele que tudo criaste: luz, terra, mares, céu, animais e homens. És também aquele que preserva com amor e graça toda a Sua criação, gerando harmonia inteligente e provisão que mantém a vida. Se o Senhor deixasse de olhar para a terra, haveria total desespero, pois todos, homens e animais, somos dependentes de ti. Por isso, ó Deus, receba os nossos louvores, gratidão e reconhecimento de quem tu és. Tu és digno dos nossos mais sinceros e constantes louvor e adoração. És merecedor da contínua meditação nos teus poderosos feitos. Por isso, Senhor, ajuda-nos a continuamente prestarmos-te culto, louvor, adoração e obediência. Que a nossa vida redunde em glória para o Senhor. Quanto àqueles que não têm reconhecido, na teoria e na prática estas verdades, pedimos-te, convença-os da tua grandeza e da dependência de todo homem de ti. Se eles permanecerem duros, deixando de reconhecer-te na teoria e no dia a dia como Senhor, aqueles que têm sido contumazmente rebeldes contra ti, usurpando a sua glória e obediência que lhe é devida como Deus Criador e Provedor, que o Senhor seja louvado também no acerto de contas com eles. Em nome de Jesus, Aquele que morreu para prover-nos vida e nos habilitar a te louvar. Amém!

 

 

Leituras Sugeridas para a Semana

 

1º Dia: Gênesis 1.1-25 (A Criação de Deus: motivo de louvor)

2º Dia: Neemias 9.5-21 (louvor pela criação, providência e redenção pela graça)

3º Dia: Salmo 145 (Louvor ao Senhor)

4º Dia: Apocalipse 20.7-15 (Punição por não reconhecer, na teoria e na prática, Deus como o Senhor. Na verdade o julgamento é pela sobras, porque é a prática que demonstra de a confissão de fé é verdadeira. Não adiante dizer que se crê em Deus mas na prática viver como um ateu: desobediente, sem frequentar o corpo de Cristo – a Igreja, sem cultuar a Deus em casa e na comunidade da fé)

5º Dia: Salmo 118 (Louvor a Deus pela sua misericórdia [graça, amor] criadora e redentora)

6º Dia: Mateus 6.9-15 (Modelo perfeito de oração: louva e adora, suplica, pede perdão e se compromete)

 

Textos Sugeridos para a Semana

 

Gênesis 1.1-25 No princípio, criou Deus os céus e a terra. 2 A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas. 3 Disse Deus: Haja luz; e houve luz. 4 E viu Deus que a luz era boa; e fez separação entre a luz e as trevas. 5 Chamou Deus à luz Dia e às trevas, Noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia. 6 E disse Deus: Haja firmamento no meio das águas e separação entre águas e águas. 7 Fez, pois, Deus o firmamento e separação entre as águas debaixo do firmamento e as águas sobre o firmamento. E assim se fez. 8 E chamou Deus ao firmamento Céus. Houve tarde e manhã, o segundo dia. 9 Disse também Deus: Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num só lugar, e apareça a porção seca. E assim se fez. 10 À porção seca chamou Deus Terra e ao ajuntamento das águas, Mares. E viu Deus que isso era bom. 11 E disse: Produza a terra relva, ervas que dêem semente e árvores frutíferas que dêem fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nele, sobre a terra. E assim se fez. 12 A terra, pois, produziu relva, ervas que davam semente segundo a sua espécie e árvores que davam fruto, cuja semente estava nele, conforme a sua espécie. E viu Deus que isso era bom. 13 Houve tarde e manhã, o terceiro dia. 14 Disse também Deus: Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais, para estações, para dias e anos. 15 E sejam para luzeiros no firmamento dos céus, para alumiar a terra. E assim se fez. 16 Fez Deus os dois grandes luzeiros: o maior para governar o dia, e o menor para governar a noite; e fez também as estrelas. 17 E os colocou no firmamento dos céus para alumiarem a terra, 18 para governarem o dia e a noite e fazerem separação entre a luz e as trevas. E viu Deus que isso era bom. 19 Houve tarde e manhã, o quarto dia. 20 Disse também Deus: Povoem-se as águas de enxames de seres viventes; e voem as aves sobre a terra, sob o firmamento dos céus. 21 Criou, pois, Deus os grandes animais marinhos e todos os seres viventes que rastejam, os quais povoavam as águas, segundo as suas espécies; e todas as aves, segundo as suas espécies. E viu Deus que isso era bom. 22 E Deus os abençoou, dizendo: Sede fecundos, multiplicai-vos e enchei as águas dos mares; e, na terra, se multipliquem as aves. 23 Houve tarde e manhã, o quinto dia. 24 Disse também Deus: Produza a terra seres viventes, conforme a sua espécie: animais domésticos, répteis e animais selváticos, segundo a sua espécie. E assim se fez. 25 E fez Deus os animais selváticos, segundo a sua espécie, e os animais domésticos, conforme a sua espécie, e todos os répteis da terra, conforme a sua espécie. E viu Deus que isso era bom.

 

Neemias 9.5-21 Os levitas Jesua, Cadmiel, Bani, Hasabnéias, Serebias, Hodias, Sebanias e Petaías disseram: Levantai-vos, bendizei ao SENHOR, vosso Deus, de eternidade em eternidade. Então, se disse: bendito seja o nome da tua glória, que ultrapassa todo bendizer e louvor. 6 Só tu és SENHOR, tu fizeste o céu, o céu dos céus e todo o seu exército, a terra e tudo quanto nela há, os mares e tudo quanto há neles; e tu os preservas a todos com vida, e o exército dos céus te adora. 7 Tu és o SENHOR, o Deus que elegeste Abrão, e o tiraste de Ur dos caldeus, e lhe puseste por nome Abraão. 8 Achaste o seu coração fiel perante ti e com ele fizeste aliança, para dares à sua descendência a terra dos cananeus, dos heteus, dos amorreus, dos ferezeus, dos jebuseus e dos girgaseus; e cumpriste as tuas promessas, porquanto és justo. 9 Viste a aflição de nossos pais no Egito, e lhes ouviste o clamor junto ao mar Vermelho. 10 Fizeste sinais e milagres contra Faraó e seus servos e contra todo o povo da sua terra, porque soubeste que os trataram com soberba; e, assim, adquiriste renome, como hoje se vê. 11 Dividiste o mar perante eles, de maneira que o atravessaram em seco; lançaste os seus perseguidores nas profundezas, como uma pedra nas águas impetuosas. 12 Guiaste-os, de dia, por uma coluna de nuvem e, de noite, por uma coluna de fogo, para lhes alumiar o caminho por onde haviam de ir. 13 Desceste sobre o monte Sinai, do céu falaste com eles e lhes deste juízos retos, leis verdadeiras, estatutos e mandamentos bons. 14 O teu santo sábado lhes fizeste conhecer; preceitos, estatutos e lei, por intermédio de Moisés, teu servo, lhes mandaste. 15 Pão dos céus lhes deste na sua fome e água da rocha lhes fizeste brotar na sua sede; e lhes disseste que entrassem para possuírem a terra que, com mão levantada, lhes juraste dar. 16 Porém eles, nossos pais, se houveram soberbamente, e endureceram a sua cerviz, e não deram ouvidos aos teus mandamentos. 17 Recusaram ouvir-te e não se lembraram das tuas maravilhas, que lhes fizeste; endureceram a sua cerviz e na sua rebelião levantaram um chefe, com o propósito de voltarem para a sua servidão no Egito. Porém tu, ó Deus perdoador, clemente e misericordioso, tardio em irar-te e grande em bondade, tu não os desamparaste, 18 ainda mesmo quando fizeram para si um bezerro de fundição e disseram: Este é o teu Deus, que te tirou do Egito; e cometeram grandes blasfêmias. 19 Todavia, tu, pela multidão das tuas misericórdias, não os deixaste no deserto. A coluna de nuvem nunca se apartou deles de dia, para os guiar pelo caminho, nem a coluna de fogo de noite, para lhes alumiar o caminho por onde haviam de ir. 20 E lhes concedeste o teu bom Espírito, para os ensinar; não lhes negaste para a boca o teu maná; e água lhes deste na sua sede. 21 Desse modo os sustentaste quarenta anos no deserto, e nada lhes faltou; as suas vestes não envelheceram, e os seus pés não se incharam.

 

 

Salmo 145.1-21 Exaltar-te-ei, ó Deus meu e Rei; bendirei o teu nome para todo o sempre. 2 Todos os dias te bendirei e louvarei o teu nome para todo o sempre. 3 Grande é o SENHOR e mui digno de ser louvado; a sua grandeza é insondável. 4 Uma geração louvará a outra geração as tuas obras e anunciará os teus poderosos feitos. 5 Meditarei no glorioso esplendor da tua majestade e nas tuas maravilhas. 6 Falar-se-á do poder dos teus feitos tremendos, e contarei a tua grandeza. 7 Divulgarão a memória de tua muita bondade e com júbilo celebrarão a tua justiça. 8 Benigno e misericordioso é o SENHOR, tardio em irar-se e de grande clemência. 9 O SENHOR é bom para todos, e as suas ternas misericórdias permeiam todas as suas obras. 10 Todas as tuas obras te renderão graças, SENHOR; e os teus santos te bendirão. 11 Falarão da glória do teu reino e confessarão o teu poder, 12 para que aos filhos dos homens se façam notórios os teus poderosos feitos e a glória da majestade do teu reino. 13 O teu reino é o de todos os séculos, e o teu domínio subsiste por todas as gerações. O SENHOR é fiel em todas as suas palavras e santo em todas as suas obras. 14 O SENHOR sustém os que vacilam e apruma todos os prostrados. 15 Em ti esperam os olhos de todos, e tu, a seu tempo, lhes dás o alimento. 16 Abres a mão e satisfazes de benevolência a todo vivente. 17 Justo é o SENHOR em todos os seus caminhos, benigno em todas as suas obras. 18 Perto está o SENHOR de todos os que o invocam, de todos os que o invocam em verdade. 19 Ele acode à vontade dos que o temem; atende-lhes o clamor e os salva. 20 O SENHOR guarda a todos os que o amam; porém os ímpios serão exterminados. 21 Profira a minha boca louvores ao SENHOR, e toda carne louve o seu santo nome, para todo o sempre.

 

 

Apocalipse 20.7-15 Quando, porém, se completarem os mil anos, Satanás será solto da sua prisão 8 e sairá a seduzir as nações que há nos quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, a fim de reuni-las para a peleja. O número dessas é como a areia do mar. 9 Marcharam, então, pela superfície da terra e sitiaram o acampamento dos santos e a cidade querida; desceu, porém, fogo do céu e os consumiu. 10 O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde já se encontram não só a besta como também o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos. 11 Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. 12 Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros. 13 Deu o mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas obras. 14 Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. 15 E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo.

 

 

Salmo 118.1-29 Rendei graças ao SENHOR, porque ele é bom, porque a sua misericórdia dura para sempre. 2 Diga, pois, Israel: Sim, a sua misericórdia dura para sempre. 3 Diga, pois, a casa de Arão: Sim, a sua misericórdia dura para sempre. 4 Digam, pois, os que temem ao SENHOR: Sim, a sua misericórdia dura para sempre. 5 Em meio à tribulação, invoquei o SENHOR, e o SENHOR me ouviu e me deu folga. 6 O SENHOR está comigo; não temerei. Que me poderá fazer o homem? 7 O SENHOR está comigo entre os que me ajudam; por isso, verei cumprido o meu desejo nos que me odeiam. 8 Melhor é buscar refúgio no SENHOR do que confiar no homem. 9 Melhor é buscar refúgio no SENHOR do que confiar em príncipes. 10 Todas as nações me cercaram, mas em nome do SENHOR as destruí. 11 Cercaram-me, cercaram-me de todos os lados; mas em nome do SENHOR as destruí. 12 Como abelhas me cercaram, porém como fogo em espinhos foram queimadas; em nome do SENHOR as destruí. 13 Empurraram-me violentamente para me fazer cair, porém o SENHOR me amparou. 14 O SENHOR é a minha força e o meu cântico, porque ele me salvou. 15 Nas tendas dos justos há voz de júbilo e de salvação; a destra do SENHOR faz proezas. 16 A destra do SENHOR se eleva, a destra do SENHOR faz proezas. 17 Não morrerei; antes, viverei e contarei as obras do SENHOR. 18 O SENHOR me castigou severamente, mas não me entregou à morte. 19 Abri-me as portas da justiça; entrarei por elas e renderei graças ao SENHOR. 20 Esta é a porta do SENHOR; por ela entrarão os justos. 21 Render-te-ei graças porque me acudiste e foste a minha salvação. 22 A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular; 23 isto procede do SENHOR e é maravilhoso aos nossos olhos. 24 Este é o dia que o SENHOR fez; regozijemo-nos e alegremo-nos nele. 25 Oh! Salva-nos, SENHOR, nós te pedimos; oh! SENHOR, concede-nos prosperidade! 26 Bendito o que vem em nome do SENHOR. A vós outros da Casa do SENHOR, nós vos abençoamos. 27 O SENHOR é Deus, ele é a nossa luz; adornai a festa com ramos até às pontas do altar. 28 Tu és o meu Deus, render-te-ei graças; tu és o meu Deus, quero exaltar-te. 29 Rendei graças ao SENHOR, porque ele é bom, porque a sua misericórdia dura para sempre.

 

 

Mateus 6.9-15 Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10 venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu; 11 o pão nosso de cada dia dá-nos hoje; 12 e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores; 13 e não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém! 14 Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará; 15 se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s