Um Deus Ciumento, Vingador e Cheio de Ira? (Naum 1.2-3)

1D4E3B8D-D2A1-4AD8-9C22-01D475D866AB
É impressionante a maneira que Naum começa o seu livro! Diferente da noção popular de um Deus que é somente amor e graça, Naum apresenta um Deus grandioso cujas emoções e ações são terrivelmente poderosas com consequências drásticas, além de ser amoroso e gracioso. Além disso, pregando em um contexto sincrético, Naum anuncia que Yahweh é o Deus que reúne em si mesmo as capacidades que os povos do Antigo Oriente Médio atribuíam para outros deuses. Naum usa os nomes El e Baal para Yahweh, deixando claro que somente ele é o verdadeiro Deus e verdadeiro Senhor.

AED18294-0660-44B7-92F4-8A81955E2082

Quais características Naum atribui a Deus? Primeiro ele diz que Yahweh é um Deus zeloso (אֵ֣ל קַנּ֤וֹא). A palavra traduzida como zeloso aponta para o fortíssimo ciúmes e ira que o cônjuge fiel sente quando é traído pelo cônjuge infiel. É a mesma palavra utilizada em Josué 24.19 e Deuteronômio 6.15. Sendo o criador e dono de todas as pessoas, Deus sente ciúmes quando suas criaturas humanas valorizam outras coisas e pessoas mais do que a Ele.

É nesse contexto que Yahweh é um Deus vingador. No versículo 2 a palavra para vingador (נֹקֵם) é usada três vezes. Essa palavra tem uma conotação mais legal do que pessoal. Diz respeito à retribuição devida àquele que voluntariamente escolheu o erro em vez do acerto. A vingança de Deus não está ligada a um capricho, mas a uma atitude necessária compatível com sua santidade e justiça.

É evidente que nesse contexto de zelo (ciúmes) e vingança, Deus também é um Deus que se ira. Ele é chamado de Baal (senhor, marido) da ira (indignação). Assim como o ciúmes e a vingança, a ira de Deus é radicalmente diferente da humana, pois é justa, perfeita e totalmente racional. Deus não se deixa dominar por sentimentos anulando, assim, a razão. Ele não se apressa para derramar a sua ira de forma injusta e desmedida. Ele é o senhor da ira. Por isso mesmo, ele consegue manter a sua ira para os seus inimigos. Deus não derrama o seu furor sobre quem estiver na frente, mas de maneira perfeita e justa ele derrama a sua ira sobre aqueles que o trocaram por outros deuses. É por isso que no versículo 3, Naum diz que Deus é longânimo (tardio de ira). Ele consegue dominar totalmente o furor e ardor de sua ira santa.

O próximo atributo de Deus exaltado por Naum é que Deus é grande em poder. Naum acabou de citar algumas das forças mais poderosas e destruidoras que existem: o ciúmes, a vingança e a ira de Deus deixando claro que Deus é senhor sobre as suas próprias ações e emoções. Como uma espécie de resumo, Naum relembra os seus leitores de que Deus também é totalmente poderoso.

A última característica exaltada pelo profeta é a justiça de Deus no fato de que ele não trata como inocente aquele que é culpado, ou seja, Deus não dá anistia. Anistia é declarar alguém culpado como uma pessoa que não deve mais nada sem que tenha havido reparação. Deus não faz isso, ele sempre exige restituição pelos erros cometidos. Deus não inocenta o culpado e por isso mesmo proveu meios de substituição de culpa, inocência e punição (sacrifícios substitutivos no AT prefigurando o sacrifício de Jesus Cristo no NT) para aqueles que entram em aliança com ele.

Naum pregou para Israel e para os ninivitas e a sua mensagem é uma mensagem de julgamento divino contra os moradores da Nínive. Anos antes Deus havia dado uma oportunidade aos ninivitas por meio do profeta Jonas e aquela geração se arrependeu, mas como uma nova geração deu seguimento aos mesmos erros, agora Deus estava decidido a destruir a capital do Império Assírio. A mensagem para os ninivitas é que o Deus Yahweh que é o Senhor acima de todos os deuses irá destruir a cidade por causa de sua maldade, idolatria e independência de Deus. O recado para o povo de Deus é bastante claro: vocês são o povo da aliança, andem com Deus e ele andará com vocês: “O Senhor é bom, é fortaleza no dia da angústia e conhece os que nele se refugiam.” (Naum 1.7)

Portanto, diferente da concepção popular de um Deus bonzinho que só tem amor e graça a distribuir, o Deus apresentado na Bíblia é também um Deus santo e justo que, por causa desses atributos também sente ciúmes (zelo) quando os habitantes da terra o trocam por falsos deuses. Como resultado desse ciúmes santo Deus age com vingança justa e ira na medida adequada. Ao mesmo tempo ele está pronto para perdoar, restaurar e proteger aqueles que o buscam como o seu Deus por meio de Cristo Jesus.

 

Originalmente publicado em portugues.logos.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s